Bebês de proveta já são 5 milhões no mundo

Anvisa: País fez 52.690 transferência de embriões
8 de junho de 2017
Depoimento 2
6 de julho de 2017

O mundo contabiliza atualmente 5 milhões de bebês nascidos pela fertilização in vitro. A estimativa foi divulgada nesta segunda-feira durante o congresso da ESHRE (Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia), que ocorre em Istambul, na Turquia.

Pelo menos 350 mil crianças são concebidas todos os anos a partir da técnica. O número representa 0,3% dos 130 milhões de bebês que nascem mundialmente e mais de um terço de todos nascimentos na Europa.

A primeira fertilização in vitro ocorreu há 34 anos e gerou uma menina, Louise Brown, em 1978.

Desde então, o procedimento que coloca o esperma e o óvulo para fusão em discos (placa de petri) laboratoriais ou que injeta o esperma diretamente no óvulo se tornou uma prática comum.

O Vaticano, contudo, continua sendo contra este tipo de fertilização devido, em parte, à quantidade de embriões que são descartados durante o processo. Alguns opositores também não aprovam a técnica por ela permitir a gestação de mulheres em idade que consideram avançada.

Ao longo dos anos, a fertilização in vitro sofreu alguns “ajustes”. Na Europa, por exemplo, o número de implantes de óvulos e espermas foi reduzido, causando uma queda em nascimentos múltiplos de bebês, o que colocavam em risco a saúde da mãe e dos fetos.

Como resultado, a gestação de trigêmeos ficou, pela primeira vez, abaixo dos 20%.