Inseminação Intra Uterina

Consiste na deposição intra-uterina de espermatozóides após preparo do sêmen em laboratório, no período ovulatório. Considerando que é baixo o índice de gravidez com IIU sem estimulação ovariana, recomenda-se que a técnica, via de regra, seja executada após resposta ovariana adequada à estimulação medicamentosa da ovulação. O laboratório irá separar os espermatozóides mais rápidos e colocá-los em um meio com composição semelhante ao fluido que fica nas trompas. Os espermatozóides, nadando livremente nesse meio, são colocados em um cateter acoplado a uma seringa. No horário estabelecido (simultaneamente a ovulação), o cateter é introduzido no útero e aqueles espermatozóides são depositados no ambiente uterino, próximo às trompas.

As chances de gravidez por inseminação intrauterina estão em torno de 25% por cada tentativa (ciclo).

Principais indicações:

  • Fator cervical
  • Fator ovulatório
  • Fator masculino de causa ejaculatória e de causa seminal leve
  • Endometriose mínima/leve
  • 4 anos de infertilidade sem causa aparente
  • Sêmen de doador ou Sêmen armazenado