Acompanhamento Psicólogico

Endometriose
7 de janeiro de 2015
Fertilidade Masculina
7 de janeiro de 2015

Acompanhamento Psicólogico

 

O acompanhamento psicológico para gestantes é muito importante. Ele oferece o suporte necessário para que a futura mamãe gere uma nova vida em seu ventre. Todo o processo envolve muitas emoções, e quando existe equilíbrio emocional e físico, o bebê tem maiores chances de um desenvolvimento saudável e feliz.

Mais o acompanhamento deve ser feito com o casal, pois é muito comum um casal que deseja ter filhos atravessar momentos de ansiedade no percurso entre decidir ter filhos e alcançar a tão sonhada gravidez. Quando um casal decide ter um filho, espera que a gravidez logo aconteça. No entanto, nem sempre isso ocorre de maneira rápida.

Desejar ter filhos e se deparar com uma impossibilidade pode despertar diversos sentimentos como tristeza, vergonha, medo, raiva, ansiedade, incapacidade, inadequação e inferioridade.

Algumas vezes o sofrimento é tão intenso, que parece que a vida não tem sentido sem um filho, como se a importância e o valor próprio ficassem reduzidos à capacidade de procriar.

A Mogi INVITRO acompanha o lado emocional de seus pacientes e acredita que o acompanhamento psicológico seja muito importante para o sucesso de um tratamento.

Objetivo:

O acompanhamento psicológico em conjunto com o atendimento médico pode colaborar para o sucesso do tratamento de reprodução assistida. Os especialistas trabalhando em conjunto podem colaborar com a decisão do casal.

O casal ou paciente é encaminhado para avaliação psicológica após uma avaliação médica.

Durante o atendimento psicológico é feita uma avaliação específica de reprodução assistida para avaliar o estado emocional de cada paciente.

Resultados esperados:

Ao optar pela realização de um tratamento é muito importante que essa escolha seja bem elaborada pelo casal, para que possam realizá-lo com tranquilidade e segurança. Isso trará repercussões positivas no relacionamento familiar e também no relacionamento com o filho.

Acompanhamentos:

O acompanhamento psicológico pode favorecer um tratamento de reprodução assistida e o acompanhamento continuo pode proporcionar ao casal um equilíbrio emocional evitando problemas como estresse, depressão e crises conjugais.

Etapas do programa:

O acompanhamento psicológico em conjunto com o atendimento médico pode colaborar para o sucesso do tratamento de reprodução assistida. Os especialistas trabalhando em conjunto podem colaborar com a decisão do casal.

O casal ou paciente é encaminhado para avaliação psicológica após uma avaliação médica.

Durante o atendimento psicológico é feita uma avaliação específica de reprodução assistida para avaliar o estado emocional de cada paciente.

Diagnóstico Genético Pré-implantacional (PGD)

Consiste em um exame genético realizado antes da implantação dos embriões, avanço extraordinário da ciência da reprodução humana que traz tranquilidade para os casais que, por diversos motivos, precisam certificar-se da qualidade dos embriões que serão implantados no útero materno.

Para quem o PGD é indicado?

O PGD é indicado para:

  • Mulheres com idade avançada (superior a 37 anos);
  • Homens com sêmen de baixa qualidade;
  • Casais que já tenham filho(s) com alguma anomalia cromossômica;
  • Casais portadores de alguma alteração cromossômica;
  • Casais com história familiar de doenças genéticas;
  • Casais que já tiveram gravidez diagnosticada como alterada durante os exames de pré-natal;
  • Casais com falhas recorrentes de FIV (fertilização In Vitro);
  • Casais com histórico de abortos recorrentes;
  • Casais com infertilidade idiopática (sem causa aparente).

Como o PGD é feito?

O PGD pode ser realizado apenas após ciclo de reprodução assistida, que consiste na coleta e posterior fertilização do óvulo pelo espermatozoide fora do corpo da mulher. Com o PGD, algumas células são removidas do embrião através de técnicas microcirúrgicas para a análise cromossômica ou gênica.

As células retiradas podem ser analisadas por diferentes técnicas, de acordo com o objetivo da análise. As técnicas utilizadas são o FISH (do inglês: Hibridação in situ fluorescente), o CGH-array (do inglês: Hibridação Genômica Comparativa) e PCR (do inglês: Reação em Cadeia da Polimerase). As técnicas de FISH e CGH-array são indicadas para a verificação da integridade cromossômica do embrião, preferencialmente no estágio de blastocisto ou quinto dia de desenvolvimento embrionário. Já a técnica do PCR é indicada para a análise de doenças monogênicas.