Fertilização In Vitro

Congelamento de Óvulos
7 de janeiro de 2015

Fertilização In Vitro

A fertilização “In Vitro”, bebê de proveta, é a união do espermatozoide (gameta masculino) com o óvulo (gameta feminino) no laboratório, formando o embrião que posteriormente será transferido para a cavidade uterina. Para realização desta técnica de alta complexidade, a paciente passa por um processo de estimulação controlada dos ovários, no qual são usadas medicações hormonais promovendo o crescimento dos folículos (bolsinha de líquido que contém o óvulo), afim de termos mais de um folículo crescendo.

Esse crescimento é acompanhado através da ultra-sonografia e quando os folículos atingem tamanho ideal é marcada a aspiração folicular (retirada dos folículos para manipulação em laboratório). A aspiração dos folículos é realizada sob sedação, o que a torna indolor, e guiada por ultrassom. O líquido de cada folículo ovariano puncionado é imediatamente encaminhado ao laboratório, onde o embriologista, através de um microscópio, localiza os oócitos e os coloca em meio de cultura apropriado. Os oócitos, então são incubados até o momento do encontro com o espermatozoide.
No mesmo dia, a coleta de sêmen é realizada pelo homem através da masturbação. Após a coleta, o sêmen é processado, assim, os melhores espermatozoides serão selecionados. Neste momento, o laboratório está com os dois gametas: o feminino que foi incubado e o masculino, com os espermatozoides mais competentes.

Os óvulos são inseminados com os espermatozoides numa mesma placa de cultura e incubados em condições ambientais semelhantes às encontradas na trompa uterina – local em que ocorre a fecundação.

Cerca de 20 horas após a inseminação dos oócitos, conseguimos identificar se houve ou não a fertilização, através da observação do citoplasma do oócito de duas estruturas chamadas pronúcleos, onde um deles é do espermatozoide e o outro é do oócito. O encontro destes dois pronúcleos evidencia a fertilização. Daí em diante ocorrerão várias divisões celulares, formando-se os pré-embriões, que entre o terceiro e quinto dia após a punção folicular, serão transferidos para dentro do útero. Os melhores embriões serão colocados dentro do útero através de um cateter especifico. Após a transferência embrionária espera-se que o embrião implante no endométrio para terminar o seu desenvolvimento e gerar uma gravidez. A transferência não requer anestesia.

Em boas condições laboratoriais e partindo-se de óvulos maduros e sêmen de boa qualidade, pode-se esperar que, pelo menos, 70% dos óvulos inseminados serão fertilizados. A taxa de gravidez por tentativa depende da idade da mulher e do diagnóstico do casal.